O quadro da UE salienta um modelo em que essas empresas sociais podem ter uma natureza jurídica afiliada ao quadro do sector privado, apesar de apresentar algumas especificidades, tais como: a atividade principal é social (embora não exclusiva) e há necessidade de reinvestir parte do lucro na própria atividade social.

Objetivos

No actual período de crise económica grave e recessão económica, o empreendedorismo social é uma das principais questões das políticas públicas ao nível europeu e nacional. A Comissão Europeia salienta que existem factores culturais que desencorajam demasiadas pessoas de iniciar uma empresa e, por conseguinte, é necessário desenvolver uma cultura empresarial forte entre os cidadãos da UE em geral. A economia social no campo do empreendedorismo social vem, não só para combater a exclusão e o desemprego (que atingiu uma pauta de 11%), mas, além disso, abordar problemas sociais inexoráveis que estão diretamente interligados com a pobreza global, alterações climáticas adversas e outros problemas ambientais, mau uso da energia e do poder, serviços de saúde inadequados, educação obsoleta ou negligenciável, etc..

O projeto Society Profists, que constitui o destilado da colaboração entre três ONGs, o cipriota Citizens In Powar (CIP), o Instituto Grego de Desenvolvimento Empresarial e o português Madan Parque, de acordo com a Estratégia Europeia 2020, procura abordar de várias maneiras todos os sete capitais políticos da UE sob a ênfase do crescimento, através dos quais a Comissão Europeia aspira criar produtos baseados em TIC que gerarão crescimento e capacitação de habilidades e, ao mesmo tempo, enfrentarão desafios globais.

Por conseguinte, o projeto Society Profists visa principalmente a educação da próxima geração de empresários por multiplicadores influentes, como organizações juvenis, equipadas e treinadas através da plataforma on-line do projeto e do curso de formação on-line. Especificamente, o primeiro e o segundo resultado do projeto consiste num curso de formação on-line, com foco nas formas como os empreendedores sociais se baseiam em técnicas de negócios e abordagens do sector privado para resolver problemas sociais, culturais e ambientais, como para mitigar a pobreza, melhorar o padrão de vida, apoiar a população vulnerável, etc.. O curso de formação on-line oferece diferentes definições de empreendedorismo social, estruturas comerciais contemporâneas abrangidas por diferentes modelos aplicáveis e software gratuito de inovação tecnológica.

Estes objetivos serão alcançados através da integração de uma variedade de ferramentas TIC e material educacional especialmente concebidos, incluindo questionários, que serão concebidos de forma a facilitar a interactividade numa forma alternativa e moderna de aprendizagem, recorrendo a vários softwares gratuitos como o ‘Wave’ que permitirá que os educadores se comuniquem com os jovens que procuram abrir um negócio social, e-vídeos narrativos relacionados a exemplos de empreendedores sociais locais bem-sucedidos no que se refere ao procedimento que estes criaram com uma ideia de negócio social, bem como pacotes de informações relacionados com aplicações on-line de formação contínua, ambientes on-line e dados sobre oportunidades de financiamento locais e globais provenientes de vários sectores, de governos a investidores privados. Em geral, o curso de formação on-line orientará os

utilizadores, através de actividades eletrónicas personalizadas, para criar o seu caminho único, que parte de uma ideia inovadora e acaba com um plano de negócios integrado ao mesmo tempo enfatizando os possíveis riscos (financeiros, legais, etc.) que a empresa social pode encontrar.

Por outro lado, uma plataforma eletrónica útil (O3) procura fornecer informações práticas ao utilizador sobre como fazer parte de uma rede europeia forte e bem estabelecida relacionada ao empreendedorismo social. Assim, a plataforma eletrónica é enriquecida com um “Diretório de empresas sociais” na UE, que é basicamente uma lista com as “empresas sociais mais impactantes que operam na UE, em termos de número de beneficiários e a singularidade de cada empresa social”, com o qual a parceria se comunicará, a fim de estabelecer uma colaboração com jovens, tanto para fins de estágio, como para partilha de informação ou qualquer outro tipo de colaboração. Além disso, a plataforma eletrónica fornece um espaço on-line que reúne ferramentas educacionais não formais relacionadas ao empreendedorismo social, um fórum on-line onde os recém-chegados podem colocar questões para ser respondidas por educadores experientes e, por último, um espaço para validação do material educacional fornecido, referidas pelas partes interessadas relevantes e empreendedores sociais de renome.

Os parceiros estão empenhados em envolver e dar suporte a todas as entidades interessadas nas actividades deste projecto. Através das redes a serem estabelecidas, da abordagem adoptada e do planeamento de eventos das partes interessadas e institucionais, os parceiros pretendem criar um senso de apropriação entre os todos os intervenientes, durante o ciclo de vida do projeto, bem como promover o uso generalizado da plataforma. Os grupos de partes interessadas (Organizações de Jovens, Instituições de Ensino Superior, Centros de Pesquisa e Desenvolvimento, Instituições Públicas e Serviços Sociais, Grupos e Autoridades de Comunidades Locais, CSOs, Redes Profissionais, Promotores de Políticas) que estarão envolvidos em cada país demonstrarão o novo ambiente on-line, incentivando assim o seu apoio contínuo.

Parceiros